Encontro Africa e Diáspora Africana projeta negócios para a União Africana

Costa Sauípe (Brasil) – O Encontro África e a Diáspora Africana (EADA), realizado entre os dias 21, 22 e 23 de novembro, em Costa do Sauípe, Bahia, se encerrou com a elaboração de um relatório final que será entregue à União Africana como insumo para a formulação da ‘Agenda África 2063’.

“Nós cumprimos o nosso objetivo. A União Africana nos convocou para mobilizar a diáspora e discutir o ‘Renascimento Africano’”, comemorou o deputado e coordenador do evento, Luiz Alberto (PT-BA).

O relatório diz que “embora subsistam desafios significativos para a África atingir o seu pleno potencial, ela surge no século XXI como um continente de esperança e oportunidade com base em vastos recursos naturais, diversidade populacional e desenvolvimento institucional significativo”.

“Este é um longo processo e hoje demos um passo muito importante. Somos parte deste povo que quer contribuir com o desenvolvimento do nosso continente mãe”, disse a deputada e atual candidata a presidente da Costa Rica, Epsy Campbell. “Nosso objetivo é construir uma África mais humana, com paz e harmonia”, completou.

O Secretário Estadual de Promoção da Igualdade Racial da Bahia (SEPROMI), Elias Sampaio, ressaltou que o renascimento da África tem correlação com o renascimento afro-brasileiro. Segundo ele, nos últimos dez anos todas as agendas propostas pelo Movimento Negro foram absorvidas pelo Governo Federal. Porém, “ainda é necessário uma inclusão social profunda no Brasil. Para isso, o relacionamento com a África pode ser essencial”, destacou.

O show de Lazzo Matumbi encerrou o evento

O show de Lazzo Matumbi encerrou o evento

Presenças significativas no evento: Harold Robinson, representante do Fundo de População das Nações Unidas no Brasil (NFPA); Epsy Campbell, deputada da Costa Rica a candidata a presidente; Isabel Cristina Hayvaert, Embaixadora do Brasil na Etiópia; Luiz Alberto, Deputado Federal; Luiza Bairros, Ministra de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Elias Sampaio, secretário estadual de Promoção da Igualdade Racial; Edgard Ortuño, embaixador da Etiópia no Brasil)

Os participantes do EADA discutiram políticas públicas para estimular a economia criativa de empreendedores negros, com foco na governança e nos negócios, através de mesas de debates, rodadas de negócios e a FEAFRO – Feira Internacional Afro-Étnica de Negócios e Cultura. “Nós da diáspora aprendemos muito com o povo do Continente e tenho certeza que eles aprenderam muito com a diáspora”, finalizou o deputado Luiz Alberto

Micro e pequenas empresas – Esta edição do encontro também teve o propósito de incentivar micro e pequenos empresários a investirem na África. Em parceria com o SEBRAE Nacional e a FIEB, diversos debates ocorreram sobre o tema. Empresários, pesquisadores e estudiosos discutiram muito do que pode ser oferecido aos africanos. “Este evento abriu caminhos para que micro e pequenos empreendedores, grupos aos quais muitos negros no Brasil fazem parte, tenham diálogo com a África”, informou a ministra de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros.

A abertura do EADA contou com a presença de diversas autoridades brasileiras e africanas. Compuseram a mesa: o deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), coordenador do evento, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), a Secretária de Educação Continuada do Ministério da Educação (MEC), Macaé Maria Evaristo dos Santos, o presidente do Comitê Cientifico Internacional da UNESCO para a produção do 9º Volume da História Geral da África (HGA), Augustin Holl, a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), o Embaixador da República do Benin, Isidore Monsi e a representante da Unesco Maria Rebeca Otero.

Em sua fala de abertura, o deputado Luiz Alberto ressaltou que o Brasil tem uma dívida histórica com a África por conta da escravidão. “A dívida que o Brasil tem com os africanos é impagável”, disse. Citando Mandela, o deputado falou da importância de ambos os povos conquistarem e fomentarem a liberdade.

Seguindo o discurso do deputado Luiz Alberto, o embaixador da República do Benin, Isidore Monsi, disse que a África não é apenas um continente de fome e miséria, como geralmente é visto. “A África tem um potencial comercial e econômico enorme. Possuímos o maior potencial de desenvolvimento e ninguém pode esquecer isso”, falou o embaixador.

O governador Jaques Wagner foi condecorado pelas autoridades africanas presentes no evento. “A melhor forma de quitar nossa dívida com a África é estreitar nossa pareceria tecnológica, comercial e empresarial para o desenvolvimento da África”, disse.

Fizeram parte do evento mesas de debates e oficinas de trabalho sobre os temas: Infraestrutura, Agricultura e Financiamento, Pesquisa, Ciência e Tecnologia, Mídia, Expansão dos Estudos Africanos, Programas em Parceria de Saúde, Desenvolvimento do Setor Privado, Desenvolvimento Econômico de Inclusão, Articulação da Rede de Parlamentares e Interface dos Saberes.| Fonte: Sepromi

You can leave a response, or trackback from your own site.

Leave a Reply